#CADÊ MEU CHINELO?

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

A INTERNET NÃO ESQUECE

::txt::Ronaldo Lemos::

Errar é humano. Esquecer também. E isso é um problema para a internet. Ao contrário de pessoas reais, a internet não “esquece” o que é colocado nela facilmente. Aposto que muita gente já se irritou com algum texto, um comentário, foto ou vídeo que está postado na rede e que diz alguma coisa que preferíamos que fosse esquecida. E nem sempre é fácil remover conteúdo da rede. Quem já tentou sabe bem do que estou falando.

Isso pode ser especialmente complicado para crianças e jovens que estão crescendo agora na rede. Obviamente, a maioria não pensa que aquela participação mais empolgada no fórum dos Jonas Brothers ou aqueles comentários malvados deixados em algum canto da internet podem acabar disponíveis por muitos anos. Mesmo quando ter sido fã dos Jonas Brothers não for mais uma lembrança que queremos guardar ou compartilhar publicamente.

A situação agrava-se ainda mais por conta de atividades como o sexting, termo que se refere à prática nem um pouco saudável de adolescentes que mandam fotos sensuais de si mesmos para outros adolescentes e que muitas vezes acabam sendo postadas online. E, a partir daí, removê-las definitivamente da rede é uma tarefa bastante complexa.

É claro que parte da garotada, mesmo intuitivamente, começa a perceber os riscos da exposição excessiva. E criam eles próprios estratégias para se adaptar. Por exemplo, adotando apelidos diferentes para a vida online, que ocultam seu nome real. É comum ver na internet nomes como Bellavamp ou Lordmorpheus como principal forma de expressão da identidade de jovens online (claro que os apelidos mudam de acordo com a “turma” e os gostos de cada grupo). Isso ao menos afasta a possibilidade de vinculação direta entre o comportamento desses jovens na internet e sua identidade real.

Mas o fato é que a questão do esquecimento na rede vai ficar cada vez mais séria. Um exemplo é que começa a surgir, lentamente, a construção de um “direito ao esquecimento”, já visível em tribunais do mundo todo. Na França existe uma proposta de lei que está sendo debatida e propõe a criação do direito de qualquer usuário de pedir o apagamento de informações antigas sobre ele. É claro que o tema é complicadíssimo, especialmente porque se contrapõe a questões como interesses históricos, de memória e preservação da informação.

Jornais apagados

No Brasil o assunto ainda não tem definição, mas há decisões aparecendo aqui e ali. Uma delas sobre o caso Doca Street, condenado pelo assassinato da atriz Angela Diniz. Ele conseguiu uma decisão impedindo a Globo de fazer um documentário sobre o caso, alegando já ter cumprido sua pena e que queria ser esquecido, para poder viver uma vida normal.

As decisões no Brasil são ainda contraditórias e vão continuar assim por um bom tempo. Uma coisa é certa, no entanto. O direito ao esquecimento pode ser importante, mas precisa ser muito bem delimitado. De outro modo, pode chegar o dia em que jornais, sites e outros veículos de informação sejam obrigados a apagar seus arquivos, em nome de interesses pessoais. E, nesse caso, o direito ao esquecimento muda de nome e se torna um problema. Passa a se chamar revisionismo histórico.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@