#CADÊ MEU CHINELO?

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

LITTLE JOY



# noé ae #
Música para os ouvidos

txt: Tiago Jucá Oliveira
phts n' vds: Fernanda Scur


O início de uma banda sempre é cheio de dificuldades, que no decorrer da carreira são vencidas. No caso do Little Joy, a lógica não é essa. Um trio que tem um membro dos Strokes e o outro do Los Hermanos, inverte-se totalmente a teoria de "começo de banda". Em sua segunda passagem por Porto Alegre, o bar Opinião lotou de novo e entoou as onze faixas do álbum como se fossem velhos clássicos do rock.

Após a abertura de uma bandinha chata, finalmente Little Joy sobe ao palco e levanta o povo com "Next Time Around", seguida por "How to hang a Warhol". Fabrizio Moretti tenta roubar o monopólio da babação por Amarante, mas é Binki Shapiro quem rouba a cena quando assume os vocais em "Unattainable", fazendo lembrar Nico ao lado de Reed e Cale. "Shoulder To Shoulder" é a conhecida canção que precede as inéditas, que o público obviamente (ainda) não sabe decor: "Frankenstyle", "Sambabylon" e "I Agree. Mas com "With Strangers" e "Keep Me in Mind" o trio retoma o controle da massa, que delira, grita, desmaia e urra "Amarante" a cada intervalo entra uma música e outra. Quase no final do curto show, a já clássica "Brand New Start", depois a chatíssima "Evaporar", a bela "Don't Watch Me Dancing" e a surpresa final: "Procissão", de Gilberto Gil, numa pegada rock de tirar o fôlego

Brand New Start (assista ao vídeo abaixo)



Rodrigo Amarante é um ótimo cantor e compositor, mas é o seu jeito carismático que comanda a orquestra de fãs. É verdade que o público se comporta de maneira idiota, beirando ao ridículo. E o curioso é não encontrar nenhum amigo ou conhecido, exceto Rodrigo Susin (percussão da banda Zumbira) e seu amigo Fernando, entre aquelas centenas de meninos e garotas com rótulo emo-patricinha. Será que nós, com mais de 30 anos, não estamos acompanhando o novo rock and roll, e sua constante reformulação? Sob nova ótica: ou os teenagers é que estão super antenados nas novidades, ainda mais com a facilitação da internet?



Pra quem já sepultou o bom e velho rock'n'roll, Little Joy prova que é justamente o contrário. O gênero vive o seu melhor momento. Nunca tivemos tantos artistas e a qualidade musical está mil anos luz a frente. E Little Joy não chega a ser exactamente uma novidade sonora que revolucionou o rock. É de maneira simples, com canções envolventes e deliciosas, que hoje são uma das melhores bandas do planeta. A receita é fácil, difícil é ser um bom cozinheiro.

4 comentários:

Balaio The Gato disse...

Amarante sem "Camelo" consegue encontrar um oásis...(vide Orquestra Imperial)

Caio disse...

Não foi esse o show que eu vi aqui no Rio, pela segunda vez, diga-se de passagem, exceto pela babação de ovo do público. A banda é fraca, Fabrizio mal sabe tocar guitarra, os vocais de Binki são como de uma colegial tímida no karaokê da esquina (a Mallu do Amarante) e o Amarante, bem, esse não precisa fazer nada mais do que fingir cantar (e não ser ouvido) para levar a galera ao êxtase. Diferente talvez tenha sido o público: como sempre nos shows da banda ou nos de Camelo predominam as viúvas do Los Hermanos, muitos vendo seu ídolo pela primeira vez, pois entraram no bonde quando ele já estava vazio, ou em recesso. A discussão sobre o estágio evolutivo do rock é outro assunto, mas o Little Joy não passa de uma banda que dilui Strokes e Los Hermanos com tintas da surf music e da psicodelia californiana dos anos 60. Dessa água nunca mais beberei, nem pagando apenas 30% do valor do ingresso graças aos cambistas da Lapa. Mesmo levando vantagem na lei da oferta e da procura, saiu caro demais pra um show inconsistente e de menos de uma hora de duração.

Manoel Neves disse...

Belíssimo texto!!!
Belíssima banda!!! Respeitadas as opinioes em contrario.

blog O DILÚVIO disse...

Poi zé, aho que voce, Caio, deve ter visto outra banda.

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@