#CADÊ MEU CHINELO?

sábado, 4 de dezembro de 2010

[noéspecial] TERRORISMO E PROPAGANDA



::txt::Tiago Jucá Oliveira::

Lampião e seus irmãos entraram para o cangaço para vingar a morte do pai assassinado pela poderosa família Nogueira. Somente no bando dos cangaceiros de Sinhô Pereira é que Virgolino Lampião teve proteção contra futura represálias dos coronéis e, principalmente, seria comeste grupo de homens armados que ele poderia dar o troco.

O paralelo entre o cangaço sertanejo com o tráfico carioca fica bem ilustrado no filme “Cidade de Deus”, do diretor Fernando Meirelles. Em determinada cena, o “patrão” está sentado à mesa de seu “quartel”, e uma fila de homens e meninos que, de um em, chegam e justificam a decisão de entrar pro mundo do crime: “mataram o meu pai”, “estupraram minha mulher”, etc. Assim como Lampião pegou em armas por causa da morte do pai, Labareda entrou para o cangaço depois que sua irmã foi “deflorada” por um soldado.

Quando o poder político rechaçou isolados crimes com extrema violência o humilhação, o que se viu foi a formação do crime organizado, e esta, em resposta àquela, reagiu em proporções iguais de crueldade. É a bola de neve que o ex-capitão da BOPE do Rio de Janeiro, Rodrigo Pimentel, explicou em depoimento para o filme documentário de João Moreira Salles, “Notícias de uma Guerra Particular”. A guerrilha urbana das favelas cariocas chegou a um nível tão absurdo que o único motivo para matar é vingança: policiais matam traficantes devido a morte de um colega, e traficantes matam os tiras em represália aos comparsas assassinados. Como afirma o historiador Eric Hobsbawm, em “Bandidos”, “onde os homens se tornam bandidos, a crueldade gera crueldade, o sangue exige sangue”.

Como entender a brutal vingança dos cangaceiros? Segundo Hobsbawm, “é impossível fazer o opressor pagar a humilhação imposta à vítima em sua própria moeda, pois o opressor atua dentro de uma estrutura de riqueza, poder e superioridade social que a vítima não pode usar. A vítima só dispõe de seus próprios recursos, e entre estes, a violência e crueldade são os de eficiência mais visível”.

Hobsbawm acredita que os cangaceiros “não só praticam o terror e a crueldade numa medida que não podem ser explicada como simples retaliação, mas cujo terror na verdade faz parte de sua imagem pública”. Os principais motivos que levavam Lampião a cometer brutalidades eram dois. “Ia às raias do barbarismo contra o delator ou contra a volante, aquele por causa da traição, e esta, porque representava a autoridade que, na sua compreensão, ajudava sempre o coronel contra os pequenos, relata Maria Christina Matta Machado, no envolvente livro “As Táticas de Guerra dos Cangaceiros”.

Desse mesmo livro podemos tirar várias situações ocorridas durante o reinado de Lampião. Numa dela, Virgolino foi dar exemplo a um homem que havia avisado aos “macacos” de sua presença pela redondezas. O capitão ordenou seus homens a tirarem as roupas do traidor e de sua esposa e os levaram amarrados até um lugarejo mais próximo. Chegando ao local, Lampião mandou seus habitantes saírem às ruas e presenciarem a barbaridade que estava por vir: “chegavam homens, mulheres e crianças, conduzidas a coice de armas pelos cangaceiros. Expostos nus completamente os dois infelizes, ante aquela gente assombrada, Virgolino desembainhou o longo punhal e, devagarinho, como a saborear a sua torpe vingança, sangrou o desgraçado, cujos gritos provocaram risos dos “cabras” e lágrimas dos pobres sertanejos, espantados com tanta maldade”.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@