#CADÊ MEU CHINELO?

terça-feira, 2 de junho de 2009

A FAVOR DO DIPLOMA DE PAPAGAIO



# manda chuva #

Grrrrrrrrrrr

txt: Tiago Jucá Oliveira

Este post de hoje é um exercício prum duelo que tem tudo pra ser divertido. Nesta coarta-feira, dia 03, as 20h no auditório da Famecos (Prédio 7 do campus central da PUC), haverá um debate sobre a obrigatoriedade do diploma de jornalista. E, acredite você, meu infiel leitor (fiquei sabendo que você anda lendo outros blogs, mas eu perdoo), sou o convidado pra discutir o assunto, junto com o outro debatedor, Sérgio Murilo, da Fenaj.

Cacildiz! Ronaldo! Nóóóóóósssssaaaa! Deu a louca na Famecos, ou nos seus organizadores. Primeiro que eu não sou defensor duma causa inútil como essa; segundo porque eu não sou pessoa apropriada pra defender, discutir, palestrar, seja lá o que for, porra nenhuma. A obrigatoriedade ou não do diploma de jornalismo não vai mudar nada!

A única cousa que sou fervoroso defensor é do diploma de papagaio. Copiar e colar é uma atividade muito difícil, exige um bacharelado na área. E isso me lebra o caso de Yuri Firmeza. Pra quem não sabe, Yuri criou um personagem japonês, Sousareta Geitsuka, inventou assessoria de imnprensa, release, e tudo mais, e enviou aos principais jornais do Ceará através de e-mail uma suposta exposição do artista nippo. E todos cadernos locais no dia do evento publicaram. Até entrevista tinha.

Isso é uma arte, leitor. E não é pra qualquer um. Exige uma faculdade, um diploma, uma técnica. Eu também já fiz meus copia e cola, embora inspirado na cultura livre e na difusão do conhecimento, mas sei que, enquanto não se exige a regulamentação de papagaio, é algo que podemos dizer 'legal'.

Mas já que o assunto é o diploma de jornalismo, vou aproveitar a arte papagaia pra defender aquilo que acham que sou capaz de defender. E que tal contra-argumentar as teses dos papagaios? Dizem que "você se consultaria num médico sem diploma?". Ora,caturrita, quando alguém contrata um serviço, você pesquisa e confere sobre a pessoa prestadora. Se aqui na revista, chegassem dois currículos, quase iguais, o diploma seria um requisito importante. Ou não!

Creio que tem quem diploma e talento, não deva se importar com isso. Quem contrata pensa na qualidade que o empregado pode trazer ao meio. Quem tem medo duma lei que libere a atividade, na real tem medo da própria incompetência. Se tenho talento, dom, vocação, etc., o diploma é apenas um detalhe. Porém, se eu estivesse concorrendo a uma vaga de jornalista na área da medicina, e entre os concorrentes estivesse o Drauzio Varela, ah, mermão, desistia na hora.

E também creio que o pra se formar em jornalismo, teríamos que ser formado em outra área. Quer ser da área da economia? Que seja um economista. Ninguém neste país comenta futebol melhor que o Tostão. Até o Gerson, o papagaio, é melhor que muitos que jamais entraram num vestiário.

Do jeito que estamos, com estas faculdades de comunicação a beirar o ridículo, o diploma só tem serventia pra ser papagaio mesmo. Não é esse ensino tosco que vai nos transformar do título de um legítimo toscano. Há muitas cousas a serem ditas. Não cabem aqui. A cachaça me espera. A Famecos também. Até lá!

4 comentários:

Danilo Fernandes disse...

Ai Pirada! Vou persegui-la a partir de agora. Quando tiver um tempinho, vá visitar meu blog também, o Genizah.



Danilo


http://genizah-virtual.blogspot.com/

Edner disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edner disse...

Poisé, a culpa é das faculdades que hoje em dia dão diploma pra qualquer idiota por dinheiro. Diploma definitivamente não é certificado de talento ou inteligência... hoje em dia a maioria das pessoas passam nas faculdades totalmente nas coxas e no final o diploma não serve pra nada.
E outra, os pioneiros do Jornalismo tinham Diploma? O Roberto Marinho tinha Diploma? E em plena a era da informatica onde a tecnologia esta engolindo cada vez mais as profissões, o que pensar a respeito do Jornalismo Cidadão? Todo mundo tem o direito de se expressar e passar informação adiante, e cabe aos seus ouvintes credibilizar aquela informação ou não, tai o Twitter que é a maior prova disso. Essa polemica é ridiculamente obsoleta e uma vergonha. Ter um diploma é apenas um há mais para aquelas pessoas que cumprem uma simples lei da Natureza: "o melhor sempre vence o pior." E provavelmente essas pessoas estão se lixando pra isso.

Tiago Jucá Oliveira disse...

se o diploma fosse exigido, o que seria da carta de pero vaz de caminha? os sertões, de euclides da cunha, a maior obra do jornalismo literário, o que seria? chatô, teríamos? do jeito que é, todas faculdades de jornalismo deviam ser fechadas. nos ensinam a ser as mulas que carregam a mentira da grande mídia. são todos cúmplices.

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@