#CADÊ MEU CHINELO?

sexta-feira, 31 de maio de 2013

[a vida como ela noé] O BRADO DO ÚLTIMO BARDO BÊBADO

:: txt :: Giovani Iemini ::

  Defino-me como anarquista, que quer dizer “contra qualquer tipo de ordem hierárquica que não seja livremente aceita”. Sou adverso às instituições, principalmente o Estado e a Igreja, pois ambos foram invenções humanas para ordenar e controlar as populações, às vezes até intuindo a melhor convivência entre as gentes e a evolução civilizatória, contudo, ambas desgarraram-se da pretensão original e, por conta de dirigentes gananciosos e especuladores, descambaram para o abuso do poder.
Qualquer abuso, a meu ver, é intolerável.

  Como anarquista, entendo que não é preciso haver leis ou dogmas, tampouco lideranças, para o alcance do bem comum e da felicidade intrínseca. Basta a percepção de que somos parte de um mesmo ecossistema e uma boa compreensão da necessidade de respeito mútuo e amplo auxílio.

  É uma questão de educação.

  Mas não esta educação formal que ensina química ou português (conhecimentos inúteis, caso a ocupação profissional não os exija), mas aquela apregoada pelos governos militares e hoje tão desprezada por democracias esquerdistas: moral e civismo (civismo aqui tendo como Estado a espécie homo sapiens).
  Mas entenda: não a moral militar, tampouco o civismo defensor de algum lado maniqueísta.

  Falo da moral planetária humana, ampla e fraterna, que reconheça o outro como um irmão, que entenda as diferenças intelectuais e físicas como a força biológica e não a fraqueza usada para exploração. Que veja as mensagens religiosas de respeito ao próximo de forma irrestrita, sem opor-se a culturas e interesses, além de não buscar para si vantagens pela detenção de poder.
É um civismo sem separações por pátrias, economias, línguas ou tradições históricas. São as atitudes e comportamentos defensores de práticas fundamentais para a preservação e a harmonia do bem estar entre os homens, esses companheiros de mundo humanos.

  O termo humano é autoexplicativo da nossa condição de iguais.

  Se somos todos humanos, e nos respeitamos, podemos ser livres, escolher nos unir  ou não a grupos de similares para facilitar nossas necessidades. Queremos coisas diferentes, únicas, personalíssimas, devemos conquistá-las cada um ao seu jeito. Individuais.

  A única proibição é o abuso.

  Mas se tem proibição, mesmo assim é anarquismo? Sim, anarquista é contra a ordem que não seja livremente aceita. E todo anarquista é um ordeiro, entende que é o principal responsável pela socialização consensual que é o entrevero dos homens. Como diz o brado do último bardo bêbado: anarquia sim, bagunça não.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@