#CADÊ MEU CHINELO?

quarta-feira, 10 de março de 2010

NANDO REIS



#noé ae?!
Apesar de tudo, um grande show

txt: Alexandre Lucchese
phts: Louyse


Nando Reis está 42 minutos atrasado. O inconfundível calor do Opinião não deixa dúvida: a casa está lotada. Algumas vaias começam a soar. Esta é a primeira das duas noites em que o ex-titã se apresentará em Porto Alegre. A segunda noite não estava programada de início, foi conseqüência da avidez com que os porto-alegrenses se atiraram atrás dos tickets amarelos que davam acesso ao espetáculo.

A lona branca diante do palco, espécie de cortina que serve de anteparo para projeções de vídeo, levanta-se vagarosamente. Um roadie entra ao som de vaias e afina o violão vermelho com apressada perfeição. Era o último preparativo para mais um triunfo ruivo na capital: um show positivamente inesquecível, mas que mesmo assim frustrou as expectativas de uma grande temporada para 2010 no Opinião.

Nando entra no palco com uma camisa jeans azul sem mangas e um gorro vermelho – desses que o João Bosco também tem a audácia de usar diante do público. Pelo sorriso e energia, logo se vê que está preparada para fazer uma grande noite. Mas o show começa morno, a não ser para os fãs ortodoxos, aqueles que seguem onde vão os pés do artista, compram tudo, baixam tudo, decoram as letras e as cantam no show com o amor devoto do torcedor no estádio em dia de final. E eles estavam lá em grande número.

As músicas de Drês, álbum mais recente, não empolgam a maioria da audiência. Não que as canções sejam fracas, talvez até sejam, mas o certo é que não dava para tecer juízo algum a esse respeito devido à péssima qualidade do som. Baixo, bateria, violão, guitarra, teclados e vocais: tudo vinha embolado, era preciso bastante esforço para distinguir um insturmento do outro, e até mesmo quando a música parava era difícil entender o que Nando falava ao microfone.



Me divirto olhando a projeção em vídeo no fundo do palco. Eram imagens editadas em estilo videoclípico, cada canção com uma projeção diferente. Muy lindo.

É com All Star que o show começa a decolar. Cultuada por diversas gerações de fãs, a música transforma o Opinião em um grande coro pela primeira vez na noite – e viriam muitas outras. All Star ainda termina com um solo matador do baixista Felipe Cambraia, figura que surpreende ao pilotar com hábil destreza os graves d’Os Infernais tocando com os dedos indicador e médio da mão direita ao mesmo tempo em que fuma um cigarro preso entre o anelar e o mindinho da mesma. Showman.

O coro se mantém intacto em muitas outras canções: Não vou me adaptar, Relicário, Luz dos Olhos... O entrosamento entre os músicos é crescente, e a energia flui intensa. Em O segundo Sol, Nando delega o violão a um roadie e, de microfone na mão, se movimenta como um xamã enlouquecido. Corre, pula, chupa o dedinho fingindo sexo oral, ameaça piruetas, instiga o público a cantar. E também rebola com as mãos nas cadeiras e piscando os olhinhos tal qual uma Carmem Miranda.

Um amigo diz que tenho trejeitos parecidos. Argumento que o cantor está encarnando a pequena notável. Ele diz que eu faria o mesmo se estivesse no palco. Agradeço a Deus por meu pai não estar ouvindo essa conversa.

O bis foi um show à parte. No melhor estilo crooner, Nando bota a casa pra dançar com Frevo Mulher (Zé Ramalho), Whisky a go go (Roupa Nova), Marvin e Do seu lado. Ele sai do palco com a camisa lavada em suor, gotejando a cada passo.

Mas não é só a camisa sem mangas da estrela da noite que sai com odores comprometidos. As nossas também. Foi ilusão pensar que a reabertura do Opinião seria mercada por melhorias no ar condicionado. E foi ilusão ainda maior pensar que o som estaria melhor. Como disse antes: tudo vem embolado, e a voz fica comprometida. Violão e baixo ficavam discretíssimos. Os sons mais estridentes ganhavam destaque, como o da guitarra, que ainda assim formava um timbre duvidoso.

As composições conhecidas de Nando Reis, cantadas em coro, bem como sua performance e de sua banda salvaram a noite. E que noite! Para o Opinião, sem dúvida, foi um ótimo início de temporada, embora não por próprios méritos. A casa ainda depende de um cantor extrovertido e com um grande leque de sucessos decorados pelo público para fazer um grande show. A música continua em segundo plano. E a gente sabe que Porto Alegre merece muito mais que isso.

*Alexandre Lucchese é escritor e jornalista e pode ser apedrejado em A Primeira Pedra
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@