#CADÊ MEU CHINELO?

terça-feira, 7 de junho de 2011

[resenha] A REGRA DO AFRIKA É NEGRA

::txt::Arthur Dapieve::

Apesar dos ancestrais comuns e de toda as semelhanças entre os países, a música africana contemporânea sempre foi um ponto fora do radar brasileiro. Só muito de vez em quando a tela preta faz “biiip!”. É chegado um desses raros momentos. O grupo carioca Afrika Gumbe está lançando o seu segundo álbum, 21 anos depois do primeiro. Meu refrão inquieto, a novidade, atualiza as delícias proporcionadas por Afrika Gumbe, o disco, no final dos anos 80. E, diferentemente de seu distante antecessor, todo cantado em iorubá, agora a verve dos irmãos Lobato e de Pedro Leão está exposta ao sol em bom português.

Na verdade, a existência do Afrika precede em muito aquele disco pioneiro. Desde 1978, sob o nome Afrika Obota, o grupo já batucava pelo Rio de Janeiro. Nesse meio tempo, seus três integrantes originais se reencontraram como Robôs Efêmeros de Fausto Fawcett, nas bandas de Fernanda Abreu, Fábio Fonseca, Gabriel O Pensador, Lenine, Lucas Santtana. Após a saída do cantor guineense Carlos Budjugu, trocaram o nome de sua banda para Afrika Gumbe. Os irmãos Marcelo e Marcos Lobato, multiinstrumentistas, mais tarde se encontraram no Rappa, o que deixou pouco tempo para o projeto com o guitarrista e baixista Pedro Leão , que tocava blues e jazz com integrantes do Blues Etílicos e Big Alambik. No entanto, ufa, o seu sonho africano nunca morreu. E aqui está o novo disco.

Meu refrão inquieto se beneficia do aparato tecnológico surgido nas últimas duas décadas e acrescenta velhas engenhocas que estavam indisponíveis na época do primeiro disco. Os integrantes do Afrika Gumbe dominam essa parafernália como poucos. Ficou de fora, declaradamente, o pedal chorus. O aviso surge ao final do encarte, logo antes de um grito de guerra: “O tecnopop não pode morrer.” Porém, não é tecnopop o primeiro rótulo que vem à cabeça quando se escuta a música do grupo – e sim afropop. Seus discos estão repletos daqueles rendilhados aliciantes de guitarra, daquelas batidas quebradinhas, daquela torrente contínua de notas e de melodias que faz a glória da música africana... De King Sunny Adé, Thomas Mapfumo, Fela Kuti, Ali Farka Touré e tantos outros craques.

Meu refrão inquieto abre com a sinuosa Folha seca de Didi, um tremendo balanço, de refrão improvável (“Bola inventora da matemática”) e com uma estrofe que exemplifica uma característica da África e do Gumbe, o erotismo: “Como duas bundas tão diferentes/Que nunca se repetem/Mas se parecem”. Passou-se apenas uma faixa das 12, e já rola goleada. A seguinte, Biscoito azeitado, reata Continente Negro e Bahia. Nela, a primeira aparição da seção de metais, arranjada por Marcelo Lobato, avisa que o soul, que marcou boa parte da música africana contemporânea, também fez a cabeça do Afrika Gumbe.

A elegância do soul está igualmente presente, por exemplo, na terceira faixa, Vida é pra acabar, que tem um refrão sombrio, que surpreenderá quem acha que música africana é só oba-oba e lero-lero: “Difícil é aceitar/ Que a vida é pra acabar”. Um pouco mais adiante, os metais de Toque lembram a poderosa Banda Black Rio. Taí, boa referência. Céu de costuras tem outra boa, o duo americano Steely Dan. Como se lê, tudo gente fina. É como explica a canção Refrão inquieto, que evoca ainda a música indiana: “Minha regra eu invento/ Toda ideia eu tento/ Som de scratch e paz/ Samba, rock e jazz”. E a derradeira faixa, Sinais do vento, a única composição de Pedro Leão, volta ao assunto ao dizer “eu sinto os sinais do vento”. O vento, no momento, sopra forte de novo de Leste para Oeste, da África para o Brasil. Ou melhor, do Afrika Gumbe para o Brasil.

Assista o vídeo abaixo ou neste link aqui

Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@