#CADÊ MEU CHINELO?

quinta-feira, 2 de abril de 2009

NAÇÃO ZUMBI



# noé ae ? #
O original não morre falso

txt e phts: Rodrigo Colla


No dia 26 de março, quinta-feira, a banda esteve em Porto Alegre – RS pela primeira vez desde o lançamento de seu último disco “Fome de Tudo” (2007), que ganhou o prêmio Uirapuru de melhor álbum da música brasileira em 2007, tendo ainda as músicas “Bossa Nostra” e “Inferno” respectivamente em primeiro e segundo lugar no quesito melhor música, além de outros prêmios e figurações no topo do ranking de diversas categorias. Ver lista completa >>> AQUI <<<



A Nação Zumbi foi ao palco do Drakkar Music Hall por volta das 00h30min. O público nitidamente já mostrava sinais de ansiedade. Era uma fome de tudo interativa e vinda de todas as partes, fome de ouvir e ser ouvido, fome de Fome de Tudo, “forte como quem come”. Foi com a canção que dá nome ao álbum que a banda de Recife abriu o show, o público pôde, satisfeito, degustar os primeiros acordes e rufares.



Cabe fazer um “parêntese” aqui para falar do último disco da banda. O álbum Fome de Tudo é certamente o melhor da Nação Zumbi desde a morte de Chico Science. Parece ser também o mais maduro e se pode considerar perfeitamente uma obra de arte como um todo, onde o conteúdo é indissociável embora separado por faixas. Percebe-se uma coerência entre as canções, elas são bem amarradas e constroem o significado do que vem a ser a “Fome de Tudo”. Através desses entre outros fatores, a banda prova uma maturidade atingida por poucos na música contemporânea. Em A Culpa, faixa 10 do Fome de Tudo há um verso que diz “o original não morre falso”. A originalidade da Nação Zumbi é perene e parece reviver e se resignificar cada vez de forma mais original.



A Nação Zumbi mesclou canções do Fome de Tudo com músicas da época de Chico Science e sucessos dos álbuns anteriores como Meu Maracatu Pesa uma Tonelada, Blunt Of Judah e Hoje, Amanhã e Depois. Executou sua versão de Quando a Maré Encher da banda Eddie e homenageou ainda Jorge Ben com Umbabarauma e Siba e a Fuloresta com Bringa.

A banda fechou o show com Da Lama ao Caos, música que dá nome ao álbum de 1994, considerado fundador do movimento manguebeat. O público ainda ficou querendo mais e “sem fastio, com fome de tudo”, gritou em uníssono “Nação Zumbi”.

Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@