#CADÊ MEU CHINELO?

segunda-feira, 20 de abril de 2009

BLOGUISMO E JORNALISMO



# jornalismo b #
Um novo caminho ou mais do mesmo ?

txt: Tiago Jucá Oliveira
phts: Thais Brandão
ctrlC+ctrlV: Ale Lucchese
(Jornalismo B on Twitter)

Um importante debate foi promovido pela equipe do blog Jornalismo B semana passada na livraria Letras&Cia. Pra conversar sobre blog e jornalismo, foram convidados os jornalistas/ blogueiros Adriano Marcello, do Celeuma, Marco Aurélio Weissheimer, do RS Urgente, e Roger Lerina, da Zero Hora. Adriano é um dos caras mais talentosos pra expressar uma opinião, seja escrevendo ou falando em público. Marco peca por defender uma visão política que já tomou do povo um chute na bunda. E Roger é um dos exemplos clássicos da medíocre imprensa gaúcha: falar bosta nenhuma sobre nenhuma bosta, e por causa disso virar cult.

Inicialmente cada um relatou a experiência como blogueiro. Weissheimer tomou a frente e começou o debate: “é fundamental tirar o debate só da tela do computador e discutir frente a frente". Segundo ele, "os blogs pode ajudar a qualificar o trabalho dos grande meios de comunicação, oxigenando e estabelecendo novos canais de comunicação". Roger Lerina defendeu que os blogs são um novo caminho e mais do mesmo ao mesmo tempo. Representa o novo mas também alicerça o que está estabelecido. Ele também se mostrou antenado com a mudança dos blogs de fora do país, geralmente liberais e independentes, agregando conteúdos, e se disse satisfeito em ver esta pluralidade aparecendo aqui também. Adriano lembrou que o Cele3uma surgiu com uma insatisfação de não ver em Porto Alegre espaços que publicassem muitas das coisas que queria ver nas mídias estabelecidas.



A parte boa começou quando vieram as perguntas do bom (bom em termos de números, porém em termos de idéias foi possível sentir o cheiro de mofo comunista de alguns). De bate pronto alguém tocou no assunto que eu também pretendia levantar: a atual moda de jornalista processar jornalista, que podemos melhor traduzir como censura. Weissheimer afirmou: "é um absurdo". Lerina, pra não se queimar com a galera nem com a máfia na qual trabalha, se absteve de dar opinião sobre casos específicos, diz que qualquer cerceamento de imprensa é odioso, mas acredita que a Justiça brasileira geralmente age de maneira sóbria nesses casos. Sua meiga opinião logo foi contraposta por Adriano: "não acredito na Justiça brasileira". Cita o caso de Ungaretti como emblemático. De acordo com o blogueiro do Cel3uma, "é pura burrice uma pessoa não aceitar críticas ao seu trabalho, não deve ser caso de justiça".



Os processos movidos contra o blog A Nova Corja também foram debatidos. Um senhor, que poderia ser caracterizado como um espião enviado especialmente pra fiscalizar o debate e defender os da Velha Corja, soltou sua desinformação: "processo de Felipe Vieira contra o Nova Corja aconteceu porque, segundo o blog, Vieira receberia um 'mensalinho' de Prefeituras". Foi preciso que Marco deixasse claro: "quem falou primeiro em mensalinho, sem dizer nomes, foi o próprio Ministério Público". Escuta, vagabundo !



Outros papos mais monótonos foram surgindo, e opiniões mofadas deram o ar da graça através de alguns dinossauros presentes: "bah, a Folha de São Paulo tá ficando de direita". Arriégua, macho! A Folha sempre foi a mais elaborada visão das elites, lido por gente tipo Marta Suplicy, Paulo Maluf, José Serra, José Dirceu, Orestes Quércia. Só a cidadã cubana presente ao debate não sabia disso ainda, por isso ficou surpresa que a Folha "agora tá de direita". Já no fim dei meu ar: "esse couso de censurar alguns blogs, e o total descaso e omissão de órgãos como ARI, ABI, FENAJ, Sindicato dos Jornalistas e dos grandes meios de comunicação, podemos afirmar então que bloguismo não é jornalismo?". Adriano tomou as palavras, muito bem, como é de seu costume: "desses órgãos não se pode esperar nada mesmo. A ARI é patronal, e o Sindicato dos Jornalistas está mais preocupado em não perder emprego nas grandes empresas de comunicação".

Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@