#CADÊ MEU CHINELO?

sábado, 24 de agosto de 2013

[nem te conto] RELATOS DE UM SUICIDA III

:: txt :: Jacson Faller ::

Tarde – sexto dia.

   Ontem passei o dia todo sem sair de casa. Li e reli várias vezes o poema; fiquei muito curioso em relação a seu significado. Eu o encontrei, é claro! Foi fácil a sua compreensão, mas – em quem pensava enquanto escrevia? No que eu pensava? Esta está sendo a parte mais difícil; tive pesadelos à noite, monstros vinham a mim, professavam, insultavam-me – e a loucura foi intensa. Acordei em plena madrugada com os lençóis encharcados de suor, pude jurar que até com febre eu estava. Inevitavelmente lembrei-me da criatura triste, triste e incompreendida. Passei a prestar mais atenção ao tempo; digo, em cada minuto da minha vida; em primeiro lugar revi que foi escrito por mim nestes últimos dias e – senti-me quase um poeta, quase triste, quase vivo, quase morto, quase flor... Um vazio incompreensível se apossou de mim.
   Tudo passou a variar. O vazio não era novidade, eu sabia do que se tratava: era aquela coisa cotidiana, as angústias e temores da vida moderna, ser bem sucedido profissional e financeiramente; ser respeitado pelos amigos; bem quisto pela família; amado pelas mulheres; ter status; todos estes pequenos demônios que atormentaram o homem no final do milênio e continuam a atormentar no início de um novo. Mas algo mudou... Ainda não sei o que pensar: Ver estes míseros relatos dos últimos dias fez-me ver quão insignificante é a minha vida, até mesmo a ironia que vi presente em algumas linhas me chocou com tamanho cinismo. A partir deste ponto também noto que escrevo como se estivesse narrando os fatos a alguém. Fiz um poema!  Em que pensava? Creio em alguém que eu pudesse ter conhecido – alguém que eu anseie em conhecer, alguém que eu necessite para viver... Acho que não pensava... Eu Sentia. Pensar e sentir são coisas distintas? Talvez o significado que eu tenha encontrado para o poema nem exista. Já está ficando complicado demais, pararei por aqui. Espero que não perca minha ironia... Pretendo deixar apenas o cinismo de lado.


O que quero é

Alimentar teu girassol
Com poesia e suor
Transpor tuas mãos
(teu corpo para o meu)

Sombrear tua arte
Roubar o teu sol

Velar tua insônia
Em teus dias de mulher


Mascar tuas sementes
Cuspi-las ao renascer

Zombar do sentimento
Que não seja o melhor

Lamber teus temores
Fazê-los são

Ter quase tudo
Que tua vontade tiver

Reduzir teus sonhos
A milagres pequenos

Flutuar em tuas cores
Até me encontrar

Também
Amar-te, apenas

para não querer

O que não É!
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@