#CADÊ MEU CHINELO?

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

[nem te conto] RELATOS DE UM SUICIDA IV

:: txt :: Jacson Faller ::

Nove horas e quinze minutos da manhã – décimo primeiro dia.

  Recebi um convite para, à tarde, visitar um haras. Quem me convidou não é exatamente um amigo, é um colega... Ex-colega de trabalho. Fomos funcionários da mesma empresa por uns sete anos. Fiquei de telefonar avisando se aceito o convite ou não. Tenho medo de rever o que certa vez presenciei em uma fazenda: Um animal estava parindo e nós acompanhávamos o acontecimento a olhos curiosos e sádicos, queríamos ver o sangue, a vagina da égua se abrindo... Éramos adolescentes, nada fazia muito sentido mesmo. Bem, minha experiência não foi das melhores. Não que tivesse visto algo extremamente desagradável, não foi isso. A sensação foi outra, bem diferente. Lembro-me de ter tido a nítida impressão de que o potrinho, no momento do nascimento, estivesse lutando para voltar ao útero... Inevitavelmente recordei de um poema que havia lido, um péssimo poema, lembro que na época eu julgava. O poema comentava algo semelhante. O pior não era isso, lembrei também do olhar de uma tia que cada vez que me via contava a mesma história. Contava como tivera sido o meu nascimento, como foi horrível para a minha mãe... Não considero correto comentar certos assuntos, ao menos não a uma criança. No parto, um parto dificílimo, de fato, os médicos não conseguiam me remover, usaram aparelhos de algum açougue eu acho... Tive dificuldades para respirar, era como se não quisesse respirar, pelo menos hoje é o que penso... Não tenho como descrever minhas sensações... Algo horrendo e de mau gosto: comparei-me ao potro, minha mãe à égua... O animal fora sacrificado; minha mãe sacrifica-se até hoje por conta do catolicismo fervoroso e incoerente, como é de costume entre as mulheres de sua família e geração. Isso é o que sinto agora. Não irei ao haras... Darei uma caminhada; com certeza me fará bem. O sol está brilhante, porém suave; há uma sensação de vida na rua. Espero que ainda esteja lá, quando eu chegar ao lado de fora.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@