#CADÊ MEU CHINELO?

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

[nem te conto] VIDA TRANSITÓRIA

:: txt :: Seu Cossio ::

 Fellini. Tive que aprender a gostar depois que um colega descarregou praticamente toda a filmografia do cineasta no computador. Não é que eu não gostasse antes, mas para um brasileiro normal, gostar de Fellini é meio que coisa de bundão. Na boa. Quem é que entra numa locadora e pega um filme do Fellini? Bundão metido a intelectual. Tudo bem, existem cinéfilos com uma genuína paixão por cinema, mas tem muito mais gente que faz finta. Porém, aqui na Itália ter assistido a todos os filmes do Fellini é coisa normal. Por isso tive que me atualizar.

 Do que vi até agora, existem algumas verdadeiras obras primas e outros que são um pouco superestimados. “La dolce vita”, por exemplo, é um saco. Três horas em frente a uma tela assistindo a uma sucessão de festas dos italianos dos anos 50 não me diz muita coisa. Até imagino que na época pode ter sido uma sensação, mostrar que a burguesia tem a cabeça vazia e só pensa em gastar dinheiro. Mas o filme é um saco. O próprio Fellini consegue mostrar a mesma situação da burguesia em outro filme, “Giulieta degli spiriti”, de forma muito mais interessante.

 Mas, olha só, já estou virando um bundão entendedor de filmes. O que eu queria dizer com tudo isso é outra coisa, que tem a ver com um dos filmes do Fellini, “La strada”. Belo filme. Triste uma barbaridade.

 O assunto desse texto é o desapego a coisas materiais. Há alguns dias me dei conta de que as únicas coisas que tenho são minhas roupas, minha guitarra, meus livros e meus discos. Mas os livros e discos estão longe, então, de concreto, só tenho as roupas e a guitarra. O resto todo é transitório. O que me deixa muito feliz. 
Nos últimos anos tenho me mudado tanto de casa que qualquer lugar é bom, desde o Apartamento 2 até o sótão de Bologna, passando pela pousada da Josi em Jaraguá, a casa dos irmãos em Joinville, mais a casa dos repórteres, depois o primeiro apartamento de casado, de volta pra Porto Alegre.... enfim, uma vida transitória, que me ajudou muito a descobrir o real valor das coisas.

 O filme em questão fala mais ou menos sobre isso, já que todos os personagens são artistas de rua. Mas o conceito fica realmente claro na fala de uma freira. “Nós mudamos de convento a cada dois anos porque assim conseguimos nos desapegar das coisas materiais, sabemos que tudo é transitório”. Com isso, chego à conclusão de que eu sou praticamente uma freira, mas uma freira que bebe, fuma, transa e ouve Rock`n`Roll. Ou seja, uma pessoa em contato direto com as divindades, mas que sabe aproveitar a vida.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@