#CADÊ MEU CHINELO?

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

[...] MAIRA PARULA

   :: psy ::  ::                              

Era um corredor em forma de I. 
 O vizinho da direita diria é um corredor qualquer, 
 como todos os outros nove. 
 Apenas um caminho para entrar e sair dali. 
 O da esquerda, por que pensar no corredor? 
 Atravessa e chega no mundo, 
 um elevador de espelhos 
 sem janelas 
 com portas de engate mecânico 
 para o poço. 
 Para I não era um corredor qualquer. 
 Conhecia os outros nove. 
 Os quatro em cima dele e os cinco para chegar até ele. 
 O primeiro, escuro, um peso, 
 de porta ou outra entreaberta, 
 a falsa pretensão de ser quase rua. 
 O segundo, comidas sendo fritas em alma até o quinto. 
 I queria ser o quinto. 
 Pelo sétimo a luz começava a entrar 
 e o cheiro de lixo não era tão forte. 
 Tão barato. 
O décimo era uma fotografia. 
 Um martíni de mármore. 
 Uma noite de sábado. 
 Uma coincidência. 
 Oito apartamentos por andar. 
 Oitenta números e telefones exaustos 
 tocando de frente e de fundos. 
 Maçanetas respirando se tivessem tempo. 
 Mas I só ouvia as vozes dos seus oito. 
 Os passos pegajosos indo e voltando do trabalho. 
 O fosso. 
 I ficava quieto, ouvindo. 
 Uma língua que teve de aprender. 
 Três lâmpadas acesas, cinco queimadas. 
 Ele não passava das portas. 
 Não conhecia o peitoril das janelas. 
 O que as pessoas viam por elas. 
 Ou se só viam pelos jornais até conseguir falar. 
 A vida seria mais simples fosse ele um L. 
 Mais divertida fosse um S. 
 O ar circulando livre. 
 Sem escadas. 
 Nada mal. 
 Talvez as portas lhe sorrissem. 
 Balançassem as chaves e ele veria 
 uma nesga de cortina lá dentro. 
 Um papel de bala. 
 Camas desfeitas. 
 Um globo terrestre. 
 Um par de luvas de camurça. 
 Um homem de paletó de costas para I. 
 A mulher caída no chão. 
 Uma garota que costumava cantar. 
 O homem desligando a vitrola 
e apagando o cigarro no cinzeiro de latão. 
 Mas ninguém gosta de bisbilhoteiros 
 e o homem bateu a porta. 
 I ficou contando capachos. 
 Rachaduras no reboco. 
 O pó virando néon. 
 Areia molhada. 
 Um ligeiro tremor percorreu 
 suas paredes até a garagem. 
 Ninguém iria tão longe.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@