#CADÊ MEU CHINELO?

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

[agência pirata] O DIPLOMA E O FARO



::txt::Luiz Garcia::

Faço coro com a opinião dO GLOBO contra a proposta de emenda constitucional que restabelece a exigência de diploma de jornalismo para o exercício da profissão.

É briga antiga: as empresas jornalísticas insistem no direito de ter em suas redações pessoas com formação em outras profissões - ou mesmo sem curso universitário algum.

Essa posição não significa, o que é óbvio, um desprezo pelas escolas de jornalismo. Muitas delas formam excelentes profissionais, outras nem tanto - o que obviamente é verdade em todos os cursos. Seja como for, é importante ficar bem claro que o diploma universitário sempre ajuda o jovem profissional a conseguir lugar numa redação. Principalmente se ele estudou numa universidade de boa reputação.

Mas não se pode esquecer: em casos não raros, a falta do diploma de curso superior não impede que jovens focas - apelido tradicional dos que se iniciam na profissão - venham a ser excelentes jornalistas.

É claro que a passagem pela faculdade pode ajudar muito. Mas sem garantia: há cursos bons e ruins, como acontece em qualquer profissão. E não é ilógico imaginar que, com o diploma obrigatório, haverá incentivo para a proliferação de faculdades de baixo nível.

Há uma pergunta que merece atenção: por que as empresas jornalísticas, praticamente sem exceção, são contra o diploma obrigatório? Certamente não é por interesse financeiro: os salários dependem da qualidade do trabalho, como acontece em qualquer empresa interessada em prosperar. E os lucros dependem da qualidade do produto.

O diploma de curso superior tem importância nas redações. Elas têm a obrigação, alguns falariam em ousadia, de contar e explicar ao leitor tudo que acontece na cidade e no mundo. Uma equipe que não tenha uma boa quantidade de profissionais com formação universitária - ou com todo mundo com o mesmo diploma - estará sempre em desvantagem na corrida pela fidelidade do leitor.

Temos a ousadia de falar de tudo que acontece, e precisamos de especialistas em tudo, ou quase tudo.

Isso inclui especialidades que não se aprendem em universidade alguma. Como o faro por notícias, algo que ninguém sabe explicar direito, mas podem acreditar: existe mesmo.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@