#CADÊ MEU CHINELO?

terça-feira, 19 de abril de 2011

[tabaré] A ÚLTIMA ENTREVISTA DE PAPAGAIO ANTES DE FUGIR



::txt::Tabaré::
::pht::Gabriel Jacobsen::

Conhecido como um dos maiores assaltantes de bancos e carros-fortes do sul do país, Cláudio Adriano Ribeiro, o Papagaio, estava cumprindo pena de 36 anos e 11 meses quando deu esta entrevista exclusiva para o Tabaré. Vinte e um dias depois de nosso último encontro, Papagaio fugiu do Presídio Estadual de Montenegro. Foi a sua sexta fuga. Segue abaixo um trecho da entrevista que estará na primeira edição impressa do Tabaré.


- Dezesseis anos comecei na vida ilícita. Imagina, tinha três irmãos pra sustentar em casa, comendo polenta e feijão. Aí um dia apareceu um jovem: “ah, roubei um toca-fita”, “tá, mas como é que tu fez?”, “vendi, peguei tanto” – que era duas vezes o meu salário. Aí fui indo… Com 17 conheci os caras que assaltavam banco. E aí eu comecei a roubar. Comecei com pequenos postos bancários, essas coisinhas.

- Tua quadrilha tinha quantas pessoas na época?

- Sempre foram quatro. Eu perdi duas quadrilhas inteiras, morreu todo mundo em ações.

- E como se impõe essa liderança?

- Com inteligência, né? Uma empresa funciona da mesma forma: quando tu é um cara destacado, tu automaticamente vai assumindo um posto, sabe fazer muito bem aquilo e ninguém se preocupa. Na época dos meus delitos, eu sempre era um cara bem articulado, entendeu?

- E a vida na clandestindade?

- É muito cara.

- O que a faz custar tanto?

- É que tu não para em lugar nenhum, né? Tu tem que estar morando classe média-alta, num bom condomínio, num bom bairro. O aluguel é caro, tu não pode comprar o imóvel porque, se tu comprar, amanhã ou depois tu tem que botar tuas coisas pra dentro e sair.

*A entrevista completa poderá ser lida dentro de alguns dias na edição #1 do Jornal Tabaré.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@