#CADÊ MEU CHINELO?

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

HUMAITÁ PRA PEIXE: FRANK JORGE e MANACÁ

# O DILÚVIO e Tuba do Pindzim - cobertura conjunta do festival carioca #


Noite de regionalismos universais


txt e video: Pindzim

No sábado, dia 12, apresentaram-se no Humaitá pra Peixe dois artistas de origens e influências tão diversas quanto possíveis. Como traço comum, apenas a clássica formação roqueira, assentada em guitarra, baixo e bateria e a exploração de tradições regionais tão diversas quanto os pampas gaúchos e o sertão nordestino.

Da flor desse Manacá
O prelúdio instrumental conduzido por viola, pandeiro e rabeca foi uma perfeita introdução ao universo poético e musical do Manacá. Em seguida, a viola é trocada pela guitarra e o som, antes singelo, de uma hora para outra se transforma, como nuvens pesadas que cobrem o céu claro anunciando a tempestade que está por vir. No centro do palco, as luzes recaem sobre a vocalista Leticia Persiles. Naturalmente, com um perfeito domínio cênico e vocal, sem maneirismos, ela assume a condição de líder messiânica da trupe. O show se transforma em um espetáculo de mão única. Toda força emana do palco. Impedido de se entregar aos convites do ritmo, devido às cadeiras da Sala Baden Powell, o público se deixa hipnotizar pelo magnetismoa da vocalista.

Enquanto muitas das letras de Leticia versam sobre temas como o misticismo, a religiosidade e os costumes nordestinos retratados no contexto de suas áridas paisagens, as melodias carregam a tortuosidade de secas raízes retorcidas, evocando lamentos sertanejos que, ao mesmo tempo que são desviados da obviedade do rock puro e simples, são potencializados pelo peso dos arranjos.

A síntese da musicalidade do Manacá é "Diabo". Aquele que, antes mesmo do lançamento do primeiro disco oficial da banda, programado para o mês de março, configura-se como o hit inaugural da banda É uma música que se pode muito bem imaginar tanto na voz de Pitty, como entoada por um dos muitos sanfoneiros anônimos do sertão em forrós de pé de serra. Enfim, uma canção universal unindo as pontas de pólos musicais opostos. Muito mais do que um bom começo para uma banda que tem menos de dois anos de estrada. O caminho para o sucesso está pavimentado e pelo que se viu no Humaitá pra Peixe, não será necessário passar pelas agruras às quais são submetidos os retirantes de vida severina.


Obsessão anos 60

O grande números de gaúchos que marcaram presença na platéia contribuíram para que o show de Frank Jorge tenha sido um dos mais animados do festival até então. Celebrando 10 anos de carreira solo em 2008, Frank entrou no palco vestindo terno e gravata pretos, apesar do calor, e ostentava um óculos retrô de proporções exageradas. Parecia um personagem de HQ. E foi muito bem recebido. Logo na primeira música, "Serei mais feliz (Vou largar a Jovem Guarda)", os mais animados se posicionaram no corredor central, bem em frente ao palco, fugindo das cadeiras, para dançar e puxar o coro com sotaque carregado. À medida que as canções se sucediam, mais gente se concentrava ali. Uma camiseta vermelha do mais Internacional dos times brasileiros se destacava no gargarejo e a marcante rivalidade futebolística não demorou a aflorar. Do fundo da platéia alguém gritou: Grêmio. Frank, de cima do palco, rebateu: "não fala essa palavra no meu show". Foi a senha para a torcida colorada entoar cânticos das arquibancadas. Até um torcedor do Juventude se manifestou. "Esse veio de Caxias do Sul", comentou Frank. Outro colorado lembrou: "e nós viemos de Dubai". Frank riu, sentindo-se praticamente em casa.

Mas ao primeiro acorde da guitarra introduzindo a música seguinte, a bailanta roqueira com influências sessentistas nacionais e estrangeiras apaziguou a rixa entre as torcidas unindo-as em uma só vibração: Frank Jorge Musical Clube. O repertório alternava canções de seus dois discos solos já lançados - Carteira Nacional do Apaixonado e Vida de Verdade - e algumas inéditas. As únicas concessões foram feitas a dois clássicos da Graforréia Xilarmônica - "Amigo Punk" e "Eu" -, e "Se Você Pensa", de Roberto e Erasmo Carlos, que encerrou a apresentação.

Pedro Veríssimo, da Tom Bloch, foi o convidado especial da noite. Ele subiu ao palco para cantar "Vida de Verdade". Na seqüência, juntos, eles emendaram "Pilhas de Livros", música que estará no terceiro disco e, nas palavras do próprio Frank, "tem um clima meio Mama's and the Papa's".

Do trabalho inédito, cujo nome ainda não está definido, foram apresentadas também: "A historiadora", cuja inspiração Frank garante não ter sido auto-biográfica, é "uma música que brinca um pouco com o universo de uma professora pós-graduada misteriosa que não dá bola pra um cara da vizinhança que é apaixonado por ela"; "Não espero mais nada" é "uma daquelas que mais remete à minha influência de Jovem Guarda". A promessa de abandonar a Jovem Guarda, motivada por um comentário de Julio Reny, companheiro de Caubóis Espirituais, ao que parece, serviu apenas de mote para uma canção e jamais será cumprida. Por fim, "Obsessão anos 60", que se caracteriza pelo tom irônico e nasceu a partir de uma frase que veio à cabeça do compositor: "não suporto mais sua obsessão pelos anos 60, não consigo explicar, só sei que ninguém mais aguenta". O disco está praticamente pronto e será lançado ainda no primeiro semestre. A gravadora não está definida.


assista ao vídeo com Manacá e uma reportagem com Frank Jorge aqui, (no alto desta página) ou na própria Tuba do Pindzim.
Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@