#CADÊ MEU CHINELO?

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

MALLU MAGALHÃES



# noéntrevista #
Um papo com a sensação de 2008

txt: Tiago Jucá Oliveira
phts: Melissa Orsi dos Santos e Diego Jucá
ntrvst: Tiago Jucá Oliveira, Elis Martini (blog Moderninho), Rafael Terra (clicRBS) e Ricardo Gruner (Cyberfan)

Uma entrevista com o fenômeno musical do ano passado, alavancado no myspace e consagrado pela mídia. Seu disco de estréia ficou entre os dez melhores álbuns de 2008 de acordo com dois dos três prêmios musicais mais gabaritados do país.

O papo abaixo é fruto duma coletiva no Porão do Beco, onde Mallu se apresentou pela primeira vez em Porto Alegre. Na tarde antes do show, nos recebeu com abraços, beijos, simpatia e simplicidade. À noite, a casa lotou, e se tivesse o dobro do tamanho comportaria a massa que ficou do lado de fora sem poder entrar. Acompanhada dos pais e desacompanhada da banda, tocou seus precoces sucessos e levou o público ao delírio com seu jeito informal e desajeitado de ser.

Demoramos a publicar por uma questão de estratégia de nossa parte: nesta quarta, dia 4 de fevereiro de 2009, a edição # 14 da revista O DILÚVIO chega às bancas e traz reportagem de capa com Mallu Magalhães, e esta entrevista aqui é um complemento da matéria impressa.



Confira os assuntos mais importantes da coletiva separados por tópicos:


Relação com colegas de aula

Você sempre acha alguém que consegue conversar. Lógico, é difícil. Mas as vezes acontece da pessoa gostar de música boa. Eu gosto de difundir o folk. Eu descobri na minha classe que um garoto gostava de Beach Boys. Caramba, que legal. As vezes você acha que a pessoa não conhece música boa, aí você fala com ela e ela conhece o Dylan, e conhece um desconhecido, e você ouve e tal.

Rotina

Nunca tenho rotina, nunca gostei da rotina.

Escola

Lógico, tenho que estudar, não que eu queira, mas tenho. Aí eu vou pra aula, tenho que prestar atenção. É importante, só que não deixa de ser muito chato. É muito importante pra você ter um futuro, pra ir pra faculdade. Eu tento dar uma segurada em respeito aos meus pais, pelo fato de pagaram e me pedirem.



Faculdade

Eu penso em fazer faculdade, design ou moda, mas não penso em sair da escola e ir direto pra faculdade. Quero viver de música. Aí depois de uns cinco anos eu entro na faculdade

Moda

Eu gosto de pegar recortes dos artistas que admira - Bob Dylan, Beatles - e se inspirar no jeito que eles se vestem. Eu nunca usei vestido, aí esses dias eu achei um bem legal. Você tem que ter muito cuidado pra não dizer que nunca vai usar isso ou aquilo. Gosto muito de chapéu, sempre achei uma coisa bem única. Depois eu percebi que não é uma coisa tão única, mas e daí? Você não pode desconsiderar uma coisa que tá sendo usada só porque ela tá sendo usada, chapéu pode não ser tão alternativo e tão original assim, mas é legal e pronto.



Cinema e literatura

Tem filmes que mudam a vida. Amelie Poulain foi um filme que me mudou bastante, por eu querer fazer parte daquela fotografia. Você se encontra nele, e também aspectos que não estão em você ainda. Você pega pra você e constrói a sua personalidade. Nelson Motta é a literatura que mais me influencia. Você lê Noites Tropicais, você se sente um tropicalista. Eu não gosto de ler. Só leio Nelson Motta. E revistas.

Música

A música é o que você sente. A não ser a música comercial. Minha idéia em Tchubaruba é criar a concepção de cada um de felicidade. Felicidade é muito amplo demais, e tão amplo que você não consegue pegar. Você precisa fazer uma concepção de coisas que você alcança, quase que palpáveis, pra você conseguir atingir uma sensação boa, que um monte de gente chama de felicidade.



Música comercial

Eu não escuto rádio. Eu tento, de vez em quando ligo. Mesmo assim acho difícil. As vezes você dá sorte, um dia liguei o rádio e ouvi Like a Rolling Stone. Não dá pra generalizar: "ah, na rádio só toca música comercial, não toca música boa porque não toca música alternativa", entendeu? Música boa é o que você acha bom.

Música alternativa

É uma música que não está no padrão, mas onde ela está e onde ela vai parar isso não tem que interessar. "Ah, esse cara é alternativo, mas agora faz muito sucesso, ah, não é mais alternativo, é comercial". Eu não me considero nada. Eu nem sei direito o que é alternativo. Eu não sei o que é direito muita coisa. Eu não sei se eu sigo o meu padrão. Tenho que tomar cuidado de me considerar alguma coisa, e aí você vê alguém que realmente é isso e pensa: "nossa, eu não sou". Acho que tenho um tempero alternativo. Velvet Underground é realmente alternativo.



Yoñlu

Eu li sobre ele, mas não ouvi. Eu vi que ele fazia uns desenhos também, e eu adorei os desenhos. Lógico, são meio macabros, por ele estar chateado. Muito triste. O menino tinha talento, né. Acho que ele tinha talento demais e acabou... não sei, não sei.

Artes plásticas

Adoro artes plásticas, gosto de desenhar e de recortar. Eu tento criar coisas. Gosto de fazer capa de caderno.



Sucesso relâmpago e carreira

Não deu tempo de imaginar ainda. Eu tô preparando meus pais. Às vezes eu vou em algum show, eu entro no camarim, e, lógico, eu saio um tanto quanto defumada de… elementos. Eu chego em casa e meus pais já olham com uma cara tipo ‘vou cortar esses shows’, aí eu tenho que explicar que as coisas não são assim, mas graças a Deus meus pais são fantásticos. Nem eles nem eu sabemos o caminho certo. Eles tem que fazer o papel do apoio, se eu tomar uma decisão e eles também concordarem. Tipo esse negócio de gravadora. Recebemos várias propostas. Ele falava: "olha, não dá, né, vai te prender, não vai te deixar livre". Eles sempre deram essas opiniões, mesmo sendo difícil por a gente não conhecer muito. Eles sempre falam: "não Mallu, isso não vai ser bom". As vezes eu falo: "vocês nunca pensaram na hipótese de eu saber o certo?" Não que seja uma crítica. Tá, tudo bem, é uma crítica, mas não tão forte, talvez uma sugestão. Os pais naturalmente eles pensam: "a gente sabe porque viveu mais". Só que eles não viveram onde eu to vivendo. Talvez algumas decisões eu saiba melhor do que eles. Isso é o complicado.

Fãs

Uma vez eu recebi uma carta. Teve uma hora que eu tive que parar. Dobrei e carinhosamente joguei fora. Era uma carta chula. Muito avançada pra mim. Eu não conseguia terminar de ler aquilo. Fiquei meio nervosa, eu tava sozinha.



Mallu ontem e hoje

Mallu como música só trouxe benefícios. Na verdade fez o conjunto. Eu tive a sorte de encontrar pessoas que tinham habilidade de juntar o psicológico, no apoio que uma banda passa, e no talento pros arranjos e técnicas. Eu tive que aprender a ouvir, algumas coisas não saem tão boas quanto você imagina. Se você escuta de verdade, poxa, não tá tão bom. E quando você começa a ouvir de outras pessoas, é complicado. As vezes meu pai fala: "ah Mallu, não gostei tanto disso". E eu, "ah, vou tentar melhorar". No fundo aquilo corroía. Esse foi o grande lance do estúdio.



Fenômeno no myspace

Eu não esperava nada porque eu não tinha nada em mente.

Primeiro contato com a música

Quando ouvi meu pai tocar Leãozinho, do Caetano Veloso. E depois Black Bird, dos Beatles.

Reconhecimento da mídia

Eu acho legal, divertido.

Postar um comentário

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@